quinta-feira, 6 de agosto de 2015

Além disso

«Onde é que roubas os teus livros, principalmente?»
«Principalmente em minimercados», explicou Carl. «Agradam-me porque, na sua maior parte, são lojas compridas e estreitas, e os empregados têm tendência a ficar junto dos balcões de venda de medicamentos, lá ao fundo, enquanto os livros costumam estar naqueles pequenos expositores giratórios, perto da entrada. Normalmente é facílimo enfiar uns poucos à socapa no bolso do sobretudo, no caso de uma pessoa trazer um sobretudo vestido.»
«Mas...»
«Sim», prosseguiu Carl, «sei bem o que estás a pensar. Se roubo livros, também sou capaz de roubar outras coisas. Mas roubar livros é metafisicamente diferente de roubar dinheiro. Villon diz qualquer coisa muito boa acerca do assunto, creio.»
«Referes-te àquele filme, Se Eu Fora Rei
«Além disso», acrescentou Carl, «vais dizer-me que nunca roubaste nada? Em nenhum momento da tua vida?»
«A minha vida...», retorquiu Edward. «Porque é que me recordas isso?»

Donald Barthelme, 60 histórias. Tradução de Paulo Faria.

Sem comentários:

Arquivo