quarta-feira, 11 de novembro de 2015

O que pode acontecer

Tudo, absolutamente tudo, pode acontecer.
Nicolas Segerstam pode estar a lavrar a terra e, nisto, descobrir por entre raízes de rododendros uma brilhante pepita de ouro.
Amargurado, Krieger pode torcer as mãos a tal ponto que do meio delas salte – zás! – um gato preto.
Dois enormes ursos, firmemente erguidos sobre as patas traseiras, podem achar-se a tomar café e a devorar bolos de arroz ao balcão do Café Ceuta.
Um cigarro pode estar a fumar um homem, neste preciso momento, sob o guarda-sol de uma esplanada.
O bico de um melro pode transformar-se numa flor amarela. Ou uma flor amarela ganhar asas escuras como as de um melro.
Jugha Kangas pode desaparecer do seu amplo, luminoso e confortável gabinete ministerial, de repente e sem deixar rasto, como alguém que se tivesse dissolvido no ar.
Uma mosca delicada pode queimar as patinhas – ai! – ao pousar no traseiro suave e desnudo de Cornélia Kallisch.
Enfim, tudo, absolutamente tudo, pode acontecer.
Mas, normalmente, não acontece nada.

Sem comentários:

Arquivo