sexta-feira, 11 de março de 2016

Não me desarrumes o jardim

A certa altura, entre Berlim e Dresden, Jorge, que no último quarto de hora tinha vindo a olhar atentamente pela portinhola, disse:
- Porque é que na Alemanha se põem as caixas de correio em cima das árvores? Porque é que não as põem à porta como nós fazemos? Acho detestável termos de trepar a uma árvore para irmos buscar correspondência.
(...)
Segui-lhe o olhar para fora da carruagem e disse-lhe:
- Aquilo não são caixas de correio, são ninhos de pássaros. É preciso compreender este país. Os alemães gostam muito de pássaros, mas de pássaros asseados. Um pássaro abandonado a si próprio faz o ninho onde lhe apetece. O ninho sob o ponto de vista alemão, não é coisa muito bonita, não tem vestígios de pintura, nem de decoração, nem mesmo tem uma bandeira. Construído o ninho, o pássaro passa a viver fora dele. Deixa cair na erva vimes, bocadinhos de vermes, toda a sorte de porcarias. É pouco delicado. Ama, discute com a fêmea, e dá de comer aos filhos em público. O alemão, todo caseiro, não gosta disto. Diz para o pássaro:
- Gosto de ti por muitas razões. Gosto de te ver, gosto de te ouvir cantar. Mas não gosto da tua maneira de viver. Toma lá esta caixinha e põe lá dentro o teu ninho de maneira que eu não o veja. Quando quiseres cantar, sai cá para fora; mas reserva os teus trabalhos domésticos para o interior. Conserva-te na caixa e não me desarrumes o jardim.

Jerome K. Jerome, Três ingleses no estrangeiro. Tradução de João Gaspar Simões.

1 comentário:

Luis Eme disse...

Também sou mais "inglês" que alemão, aliás, português. :)

Arquivo