terça-feira, 10 de maio de 2016

Tempo e dinheiro

Mais do que os outros, os romancistas ingleses cultivaram o romance da high life, e os franceses que, como Custine, quiseram escrever em especial romances de amor, tiveram primeiro o cuidado, e muito judiciosamente, de dotar os seus personagens de fortunas suficientemente grandes para pagarem sem dificuldade todas as suas fantasias; além disso, dispensaram-nos de qualquer profissão. Estes seres não têm outro estado senão cultivarem a ideia do belo na sua pessoa, satisfazerem as suas paixões, sentirem e pensarem. Possuem assim, ao seu dispor e em larga medida, tempo e dinheiro, sem os quais a fantasia, reduzida ao estado de divagação passageira, não pode de modo algum traduzir-se em acção.

Charles Baudelaire, O pintor da vida moderna. Tradução de Adolfo Casais Monteiro.

Sem comentários:

Arquivo