segunda-feira, 20 de março de 2017

Mas um homem não é um cão.

«Seria possível a teoria dos reflexos condicionados de Pavlov levar as pessoas a obedecer à doutrina do Cristianismo?», pensou o Cardeal [Pölätüo] para consigo.
Colocou uma folha de papel na sua macchina da scrivere e dactilografou com dois dedos:
Para evocar reflexos são necessários estímulos. Os estímulos podem ser positivos ou negativos; exemplos: alimentos ou dor.
Estes estímulos encontram-se nas mãos do poder secular, Temporal.


Pensou mais um instante, após o que escreveu:
Mas um homem não é um cão.
Para um homem, os estímulos materiais são desnecessários. Para um homem, basta dizer que ficará confortável, ou que irá sofrer.
E estes estímulos, positivos e negativos, estão acessíveis às mãos da Igreja.
A campainha da máquina de escrever fez-se ouvir no final da linha. Pölätüo rodou o carreto. De repente, os seus dedos começaram a saltar sobre as teclas como se tivessem vontade própria.
Mas esses estímulos já se encontram nas mãos da Igreja. São o PARAÍSO e o INFERNO!(...)
Então, apoderou-se dele uma nova ideia.
«Mas se...» - começou a ordenar as palavras na sua mente. - «Mas se estes estímulos estão nas mãos da Igreja há milhares de anos, PORQUE não são maridos e mulheres, soldados e súbditos, pais, filhos, mestres, servos, Reis, juízes, contribuintes e colectores de impostos como a religião lhes ensinou?»

Stefan Themerson, Cardeal Pölätüo. Tradução de Paulo Alexandre Moreira.

Este livro é uma edição Dois Dias, casa editora que será apresentada na Sede, no próximo sábado, 25 de Março, pelas 17h00.

Sem comentários:

Arquivo