segunda-feira, 6 de março de 2017

Se eu gritar

No capítulo “Deus” de Húmus, lê-se: “Preciso de um Deus que me atenda, que me escute, que saiba que sofro e que me veja sofrer. (…) Debaldo grito – não há quem me ouça. (…) Deus, tu és monstruoso!”

Em 1923, Rainer Maria Rilke publica as Elegias de Duíno. Eis os primeiros versos da primeira elegia:

Se eu gritar, quem poderá ouvir-me, nas hierarquias
dos Anjos? E, se até algum Anjo de súbito me levasse
para junto do seu coração: eu sucumbiria perante a sua
natureza mais potente. Pois o belo apenas é
o começo do terrível, que só a custo podemos suportar,
e se tanto o admiramos é porque ele, impassível, desdenha
destruir-nos. Todo o Anjo é terrível.

(Tradução de Maria Teresa Dias Furtado.)

Sem comentários:

Arquivo