sábado, 23 de setembro de 2017

A realidade é teatro e o teatro é realidade

O aspecto mais fascinante de Five Easy Pieces, de Milo Rau, é a arquitectura. Quer dizer, a maneira como os diferentes elementos encaixam entre si, sugerindo uma construção de Lego com instruções de montagem precisas e sem margem para o improviso. Se retirarmos os elementos acessórios, ficam duas peças-mestras: a peça das crianças, que tem lugar no palco, e a peça para adultos, que se desenrola na cabeça dos espectadores.

Em Five Easy Pieces há, pois, duas peças dispostas de maneira a evoluírem em simultâneo. Os actores crianças representam uma história que funciona para eles como uma fábula, à maneira tradicional dos irmãos Grimm, com vítimas inocentes e um lobo mau, e interpretada segundo a lógica de uma série televisiva de detectives. Trata-se de um jogo de faz-de-conta, excitante e, de certa forma, divertido. E há uma segunda história, baseada no caso real de Marc Dutroux, pedófilo e assassino confesso de várias crianças, que horrorizou a Bélgica e a Europa nos anos 90. As duas perspectivas - a perspectiva das crianças actores e a dos adultos espectadores - partilham exactamente o mesmo texto, os mesmos gestos, os mesmos truques dramatúrgicos.

Tentando ser mais claro: aquilo que se passa em Five Easy Pieces é uma coisa para as crianças e outra bastante diferente para os adultos, sendo paradoxalmente a mesma coisa. O que acontece - e aqui reside o extraordinário truque de Milo Rau - é que a presença das crianças no palco torna a peça desconfortável e ao mesmo tempo apaziguadora. Desconfortável porque elas evocam directamente todo o horror do caso Dutroux e apaziguadora porque nos lembram a cada momento que aquilo a que estamos a assistir é “apenas” teatro, ou seja, faz-de-conta.
 

Sem comentários:

Arquivo