terça-feira, 27 de março de 2018

É tudo verdade

Leio numa revista brasileira que, dentro de dias, abre mais uma edição do festival internacional de documentários É Tudo Verdade, no Rio de Janeiro. Em Paris, decorre o festival Cinéma du Réel. Entre nós, o Porto/Post/Doc classifica-se a si mesmo como um “festival de cinema do real” e usa o slogan “As nossas histórias são reais”.
Curiosa esta recorrente necessidade de afirmar o documentário como o género cinematográfico do “real” e da “verdade”. Há aqui uma espécie de horror à ficção que contradiz justamente o tipo de filmes que têm sido premiados - e bem, na minha opinião - nestes certames. No Porto/Pos/Doc, por exemplo, que é o caso que conheço melhor, os mais belos filmes do festival revelam sempre um olhar, uma montagem e uma escolha pessoalíssima dos seus autores. Não sei se a “verdade” e o “real” têm alguma relevância para o caso.
Há certamente uma contaminação do documentário pela ficção. Mas esse jogo, entre criador e espectador - o que é verdade e o que é ficção? - é a parte verdadeiramente real deste cinema.

Sem comentários:

Arquivo