terça-feira, 16 de outubro de 2018

Quanto tempo o corpo leva a esquecer?


César deve morrer, de Paolo e Vittorio Taviani, 2012.

Não será o actor para sempre um prisioneiro? Preso às tábuas, aos gestos, às palavras, a um pensamento. Preso numa espécie de limbo, nem dentro nem fora do mundo, nem agora nem antes ou depois. Morto e ressuscitado quantas vezes for preciso e à vista de todos. Quando é que um actor é livre? Quando é que o palco e o fora do palco deixam de ser a mesma coisa? Quando é que finalmente o corpo do actor se desprende do personagem? Mesmo depois das tábuas e dos muros, quanto tempo o corpo leva a esquecer?


Opening Night, de John Cassavetes, 1977.

Sem comentários:

Arquivo