terça-feira, 1 de julho de 2014

Não é anedota ou lenda, é uma certeza fundamentada em documentos

Shakespeare ergueu a mão em amplo e raro gesto lírico, respirou fundo e rebentou numa risota, gargalhando com estardalhaço. Nos olhos, apareceram-lhe clarões deslumbrantes, provocados pelo riso incontrolável. Eram tais as gargalhadas, que por um triz não lhe caíram os queixos. E então, agarrado à barriga de tanto rir, Shakespeare morreu.

Sem comentários:

Arquivo