Avançar para o conteúdo principal

Às vezes, por mero acaso,

estabelecemos relações entre duas coisas que não têm nada ou apenas pouco a ver uma com a outra. A fotografia de Martin Parr misturou-se com a leitura de “A doce pomba morreu” sem eu dar conta e, mesmo não acreditando no diálogo entre os dois, comecei a ver as antiguidades de Humphrey, o chiffon e outros tecidos vaporosos de Leonora, os casacos de tweed de James, as paredes forradas a papel, com as cores saturadas de Parr.

(A palavra javardice aplica-se aqui na perfeição, mas claro que é preferível dizer “contaminação”.)

De qualquer das formas, para aliviar a intensidade das cores, hoje de manhã resolvi comprar frésias e camélias e dispô-las numa jarra antiga. Sigo para o “Quarteto no outono”. Por este andar vou acabar a fazer bolos às camadas.

Comentários

  1. «A palavra javardice aplica-se aqui na perfeição, mas claro que é preferível dizer “contaminação”.»
    Ah ah ah ah! Maravilha.

    ResponderEliminar

Enviar um comentário