Avançar para o conteúdo principal

Mal-estar

Eugène Ionesco queixa-se várias vezes, em A Busca Intermitente, da sua obstipação crónica e das constantes crises hemorroidárias, que quase o impedem de escrever.

Vassili Grossman, por seu lado, dedica várias páginas, em Bem Hajam!, aos terríveis desarranjos intestinais que experimentou em diferentes ocasiões sociais, na Arménia, e que o conduziram ao limiar do desespero. Durante um desses episódios, chega a considerar a hipótese, logo afastada, de estourar os miolos para escapar à vergonhosa catástrofe: «Se tivesse comigo um revólver… Mas não, por certo que não me daria um tiro na cabeça. Teria sofrido uma vergonha pungente, inédita, tornar-me-ia uma lenda obscena, um herói do folclore grosseiro, mas não me mataria a tiro.»

A natureza está sempre a pregar partidas muitíssimo misteriosas à literatura. Que estranhas e secretas ligações há entre a escrita e os intestinos? Pudesse a literatura livrar-se das desordens e angústias do corpo, e o que restaria dela?

Comentários

Enviar um comentário